O Freio Jovem é de Ouro - confira o que aconteceu na 42ª Expointer

O Freio Jovem é de Ouro – confira o que aconteceu na 42ª Expointer

Horse Brasil 2 de setembro de 2019 596 Nenhum comentário

image

 Após mais de uma semana de provas e de intensa movimentação no espaço do Cavalo Crioulo na 42ª Expointer, o Freio Jovem é a modalidade ideal para o encerramento dos 12 dias de programação.

Afinal, os mais jovens ensinam tanto quanto os ginetes profissionais e demonstram a olhos vistos que são mais do que o futuro. Representam, na verdade, a herança vivenciada no presente. O Freio Jovem é de Ouro, definitivamente.Freio Jovem

A modalidade tem valor próprio e emociona, sobretudo pela entrega verossímil. Os números quantificam essa máxima: 192 animais foram deslocados pelo país, em 123 provas, no ciclo 2019. Desta cavalhada, restaram 88 conjuntos nas pistas do Freio de Ouro, em Esteio/RS, entre 30 de agosto e 1º de setembro. Para a conclusão desse trabalho anual, foram destacados dois times de jurados: Felipe Caccia Maciel, Gustavo Rodrigues e Otávio de Aragão Oliveira, nas categorias Infantil e Júnior; e Cláudio Neto de Azevedo, Daniel Rossato Costa e Leonardo Teixeira, na categoria Juvenil.

Além das provas funcionais, que seguem o regulamento do Freio de Ouro com algumas modificações e adaptações, houve beijos e abraços com amigos e familiares após a entrada em pista; brincadeiras entre ginetes com coletes alaranjados; palavras sinceras e tímidas diante da primeira entrevista concedida; teve também a alegria da vitória e o afago após a derrota, que retratam o equilíbrio das coisas e da vida.

Montando dois cavalos, Infantil Feminino A é conquistado por Catiele Botelho
Eram seis conjuntos em disputa e, destes, a ginete de Arroio Grande/RS era responsável por dois. Com um nível alto de prova do início ao fim, levantou os Freios de Ouro e de Prata. Foi líder com João Barulho do Dom Germano, e 8,567 de média, e vice-líder com Escapada de Santa Angélica, com 8,281.

A pequena Catiele Botelho, de sete anos de idade, treina todos os dias e disse que vai guardar os dois troféus em seu quarto. A mãe, Nilza Morais, fez questão de elogiar a filha. “Muito dedicada, muito humilde, faz tudo o que o treinador manda e foi a primeira vez que ela veio aqui. É o que ela quer, é o que ela gosta e nós corremos atrás do sonho dela. O que é dela, é nosso”, concluiu. Para o treinador Valdecir Teixeira, a conquista é reflexo da própria dedicação da pequena ginete.

Líder inconteste: Pedro Rosa é campeão e vice da categoria Infantil Masculino A
Um pequeno acidente (ocorrido há quase um mês antes do início das provas) por pouco não impossibilitou a grande participação de Pedro Rosa no Freio Jovem. Mesmo assim, com uma faixa preta no rosto para proteger o maxilar, o pequeno ginete de nove anos assumiu os dois primeiros postos na classificação para não sair mais.

Terminou líder, de ponta a ponta, com RZ Don Quixote da Carapuça, 10,749 de média, e vice com Passo Novo Justiceira, com 10,558 de média. Ao lado do pai, Diego Rosa Dreissig, Pedro Rosa não guardou para si o amor que sente pela raça Crioula. “Eu amo o cavalo, é a minha vida e pra mim esses dois cavalos são o meu sonho. Foi um orgulho [correr na pista do Freio de Ouro], meu pai me ajudou e a gente está aqui”, contou.

Com Herança do Caapi, Racheli da Silva é Freio de Ouro na Infantil Feminino B
Na primeira parcial, após quatro etapas, o conjunto formado por Racheli B. Rodrigues da Silva com Herança do Caapi era apenas o terceiro colocado. No entanto, após Bayard-Sarmento, o salto na nota foi suficiente para atingir o topo da classificação, que foi confirmado após a prova de campo. A média final foi 9,312.

Com 10 anos de idade, Racheli já é bicampeã do Freio Jovem – o primeiro foi em 2017 com o RP 01 da cabanha que leva o nome da ginete. “É muito bom porque tu se esforça o ano inteiro pra uma coisa que vai acontecer só aqui, é um momento único. E a gente treina no centro de treinamento toda semana, terça e quinta, de manhã bem cedo”, revelou. O pai, Fabiano Rodrigues da Silva, frisou os objetivos da família. “Para nós, criar cavalos não é um mundo comercial, mas um mundo da família”.

O título e a veia vitoriosa de Gabriel Macedo na Infantil Masculino B
Filho do tetracampeão do Freio de Ouro, José Fonseca Macedo, o pequeno Gabriel Macedo colocou em pista características de uma genética vitoriosa. Engana-se, porém, quem pensa que o sobrenome tenha sido o responsável pela conquista. Na verdade, Gabiru, como também é conhecido, pavimentou o caminho para a vitória.

Sem perder o posto de líder em nenhum momento, conquistou o Freio de Ouro com 12,589 de média, com EP Timbaúva. Em entrevista, o pai Zeca Macedo contou sobre a felicidade em ver o filho em pista. “Fiquei muito mais nervoso do que fico comigo, mas com o Gabriel é especial. Ele é extremamente disciplinado e respeita um monte a égua dele. É muito fácil trabalhar com ele, é bastante talentoso, enfim, eu quero mais é que ele se divirta”, apontou.

Vencedores da categoria Juvenil foram decididos na última manhã
A prova de campo foi decisiva para Elisa dos Santos montando Império do Rebuliço. Nas primeiras etapas, o conjunto garantia o terceiro lugar no certame. Na parcial após Bayard-Sarmento, mais um degrau foi alcançado com o segundo lugar. Enfim, o título foi obtido na chamada “paleteada virtual”, finalizando a prova com 12,069 de média.

Já no masculino, o conjunto formado por Felipe Tomiozzo e Dançarina do Paradeiro ST. Paul também conseguiu uma grande arrancada. Após estar em quinto colocado na primeira parcial, galgou a vitória com o desenrolar das etapas. O lugar mais alto do pódio foi alcançado após Bayard-Sarmento e prova de campo, com média final de 10,847.

Categoria Júnior e seus vencedores
No feminino, a conquista manteve-se tão firme quanto o nome da gateada Firmeza 1903, montada por Allana Bento. Com média final de 10,263, o conjunto perpassou por todas as etapas na liderança. Já no masculino, o Freio de Ouro foi decidido na Bayard-Sarmento. O ginete Ernesto Dias de Freitas Neto, que montou Bastardo Cala Bassa, que era segundo colocado na primeira parcial, saltou à liderança na última manhã de prova. A média final foi de 10,754.

A juventude da modalidade permanece, apesar do seu crescimento
Não é à toa que todos os concorrentes receberam no dia anterior, após os apartes da prova de Mangueira, uma medalha de participação. Todos que se aventuram a montar o Cavalo Crioulo e mostrar que o futuro da raça está garantido, são vencedores natos. Isso é perceptível a partir da evolução da modalidade, conforme explica o jurado Cláudio Neto de Azevedo: “no início, era mais uma prova de incentivo, onde se avaliava talvez mais bonificação e muito menos penalização. Com o passar dos anos e a melhoria na qualidade e a evolução do nosso cavalo e dos jovens, nós trabalhamos com um novo nível de avaliação”.

Por esse motivo que o regulamento do Freio Jovem segue a mesma lógica do Freio de Ouro. “O regulamento é o mesmo para todas as provas, o mesmo quando a gente está julgando um Freio, uma credenciadora, uma classificatória… Isso é muito importante porque estamos não só formando criadores e pessoas que vão trabalhar com a Associação, mas também cidadãos. É importante também passar essa noção de que é bom ganhar. Mas é bom perder e aprender com os erros”, completa Daniel Rossato Costa, também responsável pela avaliação.

O Freio Jovem conta com o patrocínio da Correaria Dima

Confira o resultado (ainda não homologado pela ABCCC):

Selo de Raça: Lichiguana do Liscano

INFANTIL FEMININO A
1º lugar
João Barulho do Dom Germano
Ginete: Catiele Botelho. Nota: 8,567

2º lugar
Escapada de Santa Angélica
Ginete: Catiele Botelho. Nota: 8,281

3º lugar
Sonhadora do Rincão dos Xucros
Ginete: Maria Clara de Oliveira Pires. Nota: 7,069

4º lugar
Fandango do Forte Atalaia
Ginete: Ana Betina Annas. Nota: 7,060

INFANTIL MASCULINO A
1º lugar
RZ Don Quixote da Carapuça
Ginete: Pedro Rosa. Nota: 10,749

2º lugar
Passo Novo Justiceira
Ginete: Pedro Rosa. Nota: 10,558

3º lugar
Belle Istambul
Ginete: Caetano Massarotto Gonçalves. Nota: 9,451

4º lugar
Amoda Antiga do Barulho
Ginete: Caetano Massarotto Gonçalves. Nota: 8,035

INFANTIL FEMININO B
1º lugar
Herança do Caapi
Ginete: Racheli B. Rodrigues da Silva. Nota: 9,312

2º lugar
Quinchador da Badana
Ginete: Marcely Paiva. Nota: 9,111

3º lugar
Medalhão da Cabanha Santa Fé
Ginete: Antonella Blanco Suñe. Nota: 8,482

4º lugar
Orquídea do Pontal
Ginete: Ana Julia Oliveira Carvalho. Nota: 7,865

INFANTIL MASCULINO B
1º lugar
EP Timbauva
Ginete: Gabriel Macedo. Nota: 12,589

2º lugar
Gentileza Cala Bassa
Ginete: Francisco Móglia. Nota: 11,583

3º lugar
Capanegra Ventho
Ginete: Francisco Móglia. Nota: 9,997

4º lugar
Labareda do Veio D´Água
Ginete: Antonio Suñe. Nota: 9,975

JUVENIL FEMININA
1º lugar
Império do Rebuliço
Ginete: Elisa C. dos Santos. Nota: 12,069

2º lugar
Armada do Areal
Ginete: Julia Ebersol Avila. Nota: 11,757

3º lugar
Flor Preta do Elebê
Ginete: Sinthia Shuster. Nota: 11,678

4º lugar
Liberal Mapocho
Ginete: Sinthia Shuster. Nota: 11,247

JUVENIL MASCULINA
1º lugar
Dançarina do Paradeiro St Paul
Ginete: Felipe Tomiozzo. Nota: 10,847

2º lugar
Escondida da Reservada
Ginete: Artur Felipe Capeletti. Nota: 10,675

3º lugar
Terror Rincão da Feitoria
Ginete: Júlio Weymar. Nota: 10,658

4º lugar
AS Malke Brasa
Ginete: Mateus Cadore. Nota: 10,294

JÚNIOR FEMININA
1º lugar
Firmeza 1903
Ginete: Allana Bento. Nota: 10,263

2º lugar
Garbosa do Truco
Ginete: Emile dos Santos Gomes. Nota: 8,883

3º lugar
Divina 09 do Acorsi
Ginete: Ana Clara Elias Acorsi. Nota: 8,092

4º lugar
Minuano do Cerro Frio
Ginete: Ana Laura Pedroso. Nota: 7,154

JÚNIOR MASCULINA
1º lugar
Bastardo Cala Bassa
Ginete: Ernesto Dias de Freitas Neto. Nota: 10,754

2º lugar
Campana Ceibo
Ginete: Guilherme Ruas. Nota: 10,161

3º lugar
Moça Bonita do Liscano
Ginete: Rafael Zanetti. Nota: 10,076

4º lugar
Ufano da Oca
Ginete: Heitor Augusto Gomes. Nota: 9,881

 

Redação Marina Bonati/ABCCC e Pedro Henrique Krüger/ABCCC

Imagem: Fagner Almeida, Felipe Ulbrich e Leandro Vieira