Alberto Guerra

Alberto Guerra

Marketing Equestre

Palanque ou porteira...

25 de maio de 2016

- Alberto Guerra

                                                                 Palanque ou porteira...

O mercado equestre brasileiro de fato é muito especial, uma das maiores características de nossa realidade é termos acesso a várias culturas equestres dentro do mesmo país, é fácil entendermos isso em um país tão grande quanto o nosso onde as necessidades de cada região são tão específicas que vão se desenvolvendo técnicas diferentes, maneiras diferentes de se olhar os cavalos mas todas tem um ponto em comum, busca pela eficiência.

Neste texto gostaria de chamar a atenção para uma outra questão, vamos falar sobre o comportamento do profissional do cavalo e como impacta diretamente nos seus respectivos negócios. Já citamos em outras oportunidades sobre o dinamismo dos tempos atuais, a velocidade, disseminação e acesso a informação torna nossas possibilidades infinitas pois acompanhamos em tempo real tudo que acontece com os cavalos do mundo todo.

O intercâmbio de técnicas, ferramentas mais eficientes nos dá a possibilidade de evoluir nossos cavalos e nossa forma de trabalhar mas tudo depende de uma questão que depende exclusivamente de nós mesmos, querer.

Nossos clientes cada vez mais nos exigem essa evolução, pedem por métodos mais eficientes em todas as áreas, treinamento, doma, ferrageamento, medicina veterinária, equitação e o profissional que absorver e acompanhar esta nova onda do segmento certamente terá êxito no futuro.

Podemos ser como palanques, firmes, fixos e imóveis mas também podemos ser como porteiras, igualmente firmes mas aberta para novos aprendizados, flexível, tudo passa por ela. São caminhos distintos mas talvez a única certeza que temos é que reinventar-se se faz cada vez mais necessário.

Lembre-se palanque ou porteira...