Flavia Geantomasse

Flavia Geantomasse

O Equoterapeuta e seu trabalho

25 de maio de 2016

- Flavia Geantomasse

                                                   O Equoterapeuta e seu trabalho

Antes contar sobre o trabalho do profissional de equoterapia, gostaria de contar por que chamamos os nossos pacientes e alunos de “Praticantes de Equoterapia”,utilizamos este termo, pois ele pratica a terapia, ele atua ativamente no processo terapêutico e em sua reabilitação, na medida em que interage com a equipe e com cavalo.

Sou fisioterapeuta e em minha formação, aprendi que eu teria um espaço terapêuticocomo uma sala, uma piscina aquecida ou no máximo um ginásio de cinesioterapia, que eu seria detentora de um saber, que poderia ajudar o paciente em seus males. Na equoterapia tudo é diferente, o terapeuta atua de forma indireta, pois a grande relação é o cavaleiro e seu cavalo, costumamos dizer que somos coadjuvantes sem ser, é um vai e vem, é um entrar e sair dentro da terapêutica, e quanto mais sutil for, maiores os benefícios.

A equoterapia é para todos os profissionais capazes de abrir mão do lugar onde se é detentor de um poder, da ajuda linear, de causa e efeito, quero deixar claro que não existe nada de ruim nisto. A equoterapia só é diferente, ela é compartilhada por muitos(terapeutas, equitadores, cavalos) ela é na maioria das vezes feita em um setting(espaço terapêutico) aberto, com muitas influências visuais e auditivas aos praticantes.

Aos equoterapeutas dou meus parabéns!

É preciso se modificarenquanto terapeuta, é preciso saber atuar e sair de cena para a mágica do encontro com o praticante e seu cavalo acontecer, é preciso saber trabalhar em equipe, é preciso ser criativo, é preciso dominar a terapia em um setting aberto, é preciso ser capaz de emprestar nosso próprio corpo; andamos na areia, ao lado do cavalo, muitas vezes auxiliando o praticante no seu equilíbrio e na manutenção de sua postura, com nossos braços para cima. Elevamos nossos praticantes e os olhamos de baixo para cima e isto nos deixa feliz, pois sabemos que naquele momento os lugares se inverteram e nosso praticante pode olhar o mundo de cima e pode abaixar a cabeça para nos olhar lá em baixo, literalmente é um outrolugar.  

Apesar das dificuldades é de desafios que nossa profissão é feita, venhamos e convenhamos, quem tem companheiros de trabalho como os cavalos, não pode reclamar muito, não é mesmo? Durante a terapia podemos e devemos ver e estimular nosso praticante a olhar um passarinho, uma borboleta, oazul do céu, o verde das árvores, parar para respirar de forma consciente, encher os pulmões, praticante, equitador, e de repente até o cavalo está respirando profundamente. Acho que não conseguiria voltar para dentro de uma sala de fisioterapia, depois que se exercita o olhar sistêmico, o todo, não seria fácil voltar, acredito que estar perto dos cavalos se torna um vício e deste vício eu não quero sarar! É importante lembrar que a Equoterapia não exclui outras formas de terapia, ou seja, não é exclusiva, nem excludente. É complementar.